Carmo Bráz de Oliveira

Por Amor

Textos

Doze Horas


Naquela tarde perpassando as estrelas
Gotas azuis sangravam até o límpido mar
Como lágrimas de júbilos duvidosos
Desembocavam em escuros túneis cavernosos
Estreitos e profundos seguindo o horizonte
Onde brilhavam verdes cristais
banhando púrpuras juras de afeto
garratujadas por rotas pedras de giz
Rumo à impetuosas catadupas
entrecortadas por espessa névoa
de intragáveis sabores monocromáticos
até o lúbrico solo de incertezas
gradativamente acumuladas
engendrando afunilado atalho
ao sinuoso caminho
em cujo termo figurava-se frágil luz
mantida acesa por imortal fôlego
fio de esperança
na amálgama vertente da existência

Carmitto
Enviado por Carmitto em 26/11/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras